Como ser feliz no trabalho quando se é empregado?

Entender e acreditar no seu papel como colaborador é essencial para que sua rotina seja mais leve.

Imagem Como ser feliz no trabalho quando se é empregado?

Até uns anos atrás, sempre que me perguntavam a minha profissão eu já disparava algo como “eu sou jornalista de formação, mas já faz alguns anos que trabalho com produção de conteúdo e Marketing Digital. Ah, mas não é isso que quero fazer pra sempre, viu. Não me vejo fazendo isso por muito tempo mais”.

Não sei bem se isso começou por um uma necessidade de me justificar ou se era apenas um efeito de eu estar infeliz com minha carreira. O fato é que, sempre que eu me via diante dessas situações, eu acabava por me sentir um pouco mal. A sensação era de que, uma vez que eu não estava exatamente onde eu sonhava estar, era impossível estar feliz.

Nem eu nem você somos os únicos a sentir essa pressão da sociedade. Parece que precisamos ter todos os nossos passos calculados, caso contrário a impressão que fica é de que perdemos o controle da nossa própria vida. E, em uma época que muito se fala em criar e empreender, pouco se fala que está tudo bem se você não tiver vontade de ter um negócio próprio. Pra mim, no fim do dia, o mais importante é você sentir que faz a diferença no que você produz.

Mas então, como eu passei a ser feliz no trabalho?

Um passo bem importante para a minha virada de carreira foi compreender qual era o meu perfil profissional. Hoje eu entendo que eu não preciso ser líder de uma equipe ou a criadora de um produto inovador. Percebo que eu sou melhor em executar tarefas e que sou muito mais útil como braço direito de alguém do que como líder.

Outra coisa essencial é saber que dificilmente vamos escolher uma área só para trabalharmos até o fim da nossa trajetória profissional. Primeiro porque isso seria uma chatice. Segundo porque o mercado muda o tempo todo, então temos que estar dispostos a nos transformarmos constantemente.

Conheço poucas pessoas que se veem fazendo exatamente a mesma coisa até o fim da vida. Por exemplo, um cirurgião plástico que é especialista em mudanças faciais. Ele pode até passar a carreira inteira fazendo esse tipo de procedimento, mas com certeza ele irá, de tempos em tempos, renovar suas técnicas e continuar estudando para se aprimorar.

Mas vamos então a algumas dicas práticas que me fizeram ser uma pessoa feliz todos os dias com meu trabalho, mesmo ele “não sendo o que eu quero fazer para o resto da vida”.

– Sentir que confiam no seu trabalho.

Você já ouviu falar na Síndrome do Impostor? Não sou profissional da psicologia e não sei bem quando esse conceito foi formulado, mas converso bastante sobre o assunto com alguns amigos que sofrem disso. Essa síndrome basicamente faz você se sentir uma fraude, derrubando sua autoestima principalmente quando o assunto é trabalho.

Para você sentir que confiam no seu trabalho, você precisa acreditar nele primeiro

É comum que quando nos sentimos impostores fiquemos inseguros e passemos a desconfiar da nossa própria capacidade. Já me senti assim muitas vezes e tem ocasiões que nem o fato de receber elogios recorrentes ajuda.

Além da insegurança, parte disso vem de uma confusão sobre a ideia de humildade. Há uma certa culpa por se sentir bom no que faz, já que precisamos ser humildes. Então, pouco a pouco vamos nos diminuindo e acreditando menos no nosso potencial.

O que descobri com o passar do tempo é que quando eu confio no meu trabalho, os outros tendem a confiar também. Agora, se eu demostrar que estou insegura com algum projeto, as outras partes envolvidas certamente sentirão o meu medo.

Portanto, para você sentir que confiam no seu trabalho, você precisa acreditar nele primeiro.

Já tive momentos de deslize em que me perdi na minha rotina e não entreguei o trabalho como deveria, e o impacto foi bem forte em mim. Eu percebi que naquele momento eu não era uma pessoa confiável e isso foi uma experiência muito negativa na minha autoestima — porém muito positiva para eu aprender que eu não consigo agir tranquilamente diante da minha própria irresponsabilidade.

– Estar sempre aprendendo algo novo.

Como já falamos, estagnar na carreira é altamente desestimulante. Não há problema em uma pessoa ser empregada da mesma empresa há 20 anos se ela ainda sente que está aprendendo. Porém, carro sem combustível não anda, simples assim.

Eu, por exemplo, sempre fui bastante medrosa para encarar novos desafios na minha carreira. Mas acho que sempre consegui tornar a insegurança de não saber exatamente onde estou pisando em algo positivo. Quando comecei a escrever aqui no Coworking Brasil eu já tinha experiência como escritora de conteúdo para internet, mas eu não entendia nada sobre coworking. Eu poderia ter fugido desse desafio, mas eu preferi encarar de frente e ver no que dava. O resultado é que hoje domino algo que há um ano eu não fazia ideia do que era, além de seguir aprendendo muito todos os dias.

Acho ótimo quando não sabemos onde estamos pisando. É muito provável que, no fim, isso vá significar que temos muito o que aprender.

ser feliz no trabalho

– Trabalhar em um ambiente que acredita na horizontalidade.

Ok, esse item não depende unicamente de você, porque você não pode mudar a mentalidade da chefia da sua empresa. Mas também tem a ver com mudança de atitude. Eu fui criada para ser empregada. Nunca desenvolvi um pensamento empreendedor. Por vir de uma família simples, com pais que são funcionários públicos, sempre acreditei que ter um emprego era lucro, e que eu tinha que me agarrar nele de forma que ele fosse meu até o fim da vida.

Também fui um pouco prejudicada por trabalhar em empresas com superiores autoritários e que se achavam absolutos e intocáveis. Isso acontece bastante, infelizmente, principalmente nas empresas mais tradicionais. Mas eu acredito que isso já esteja mudando, graças a todas as transformações que a era digital vem trazendo. Os velhos figurões não irão mais se sustentar na base do grito. Eles precisarão evoluir junto com o mercado.

Depois de algumas experiências profissionais negativas + a minha bagagem pessoal familiar, eu me tornei uma profissional padrão, que só obedecia e pouco ousava. E, mesmo hoje, trabalhando com uma empresa super pra frente, ainda é difícil mudar minha forma de agir. Ela está muito enraizada em mim e preciso lembrar todos os dias que eu não sou uma funcionária que só está ali para baixar a cabeça e executar tarefas. Eu tenho voz ativa, eu posso sugerir ideias e tocar projetos por conta.

Tente aos poucos sentir o quanto você pode dar ideias nos projetos da sua empresa. Afinal, mesmo que você não tenha um cargo de liderança, você deve ser bom no que faz. Relembre os seus superiores que você está ali para dar o máximo do seu potencial e que essa troca é positiva para todos os lados.

– Vestir a camisa da empresa.

Acredite, vestir a camisa é mais importante para você do que para o seu chefe. Não consigo me imaginar indo para um trabalho todos os dias se eu não creio nele de verdade.

Lembro bem de quando pedi demissão de uma empresa que trabalhei por três anos. Quando fui conversar com a chefe de um dos setores, ela falou “é uma grande perda pra gente não apenas pela profissional que tu é, mas pelo tanto que tu sempre vestiu a nossa camisa de forma sincera. Nossas portas sempre estarão abertas pra ti”.

A verdade é que, até aquele momento, eu nunca tinha reparado o quanto eu me doava, porque pra mim é algo natural de acontecer quando eu acredito no meu trabalho. Quando olhei para os colegas em cargos semelhantes, percebi que esse era o meu diferencial. Meu nível técnico era bem próximo do deles, mas a minha doação certamente era especial.

Ah, e mais uma coisa: é você quem tem que querer vestir a camisa. Não é o seu chefe que vai pedir isso e você vai obedecer. Ou você sente que deseja fazer isso, ou talvez seja hora de procurar uma outra causa que você acredite mais.

– Fazer da sua rotina algo leve.

Se você já acordar e sair de casa pensando que terá mais um dia de merda, com o perdão da palavra, você de fato terá mais um dia de merda.

Um exemplo que mudou completamente a minha vida é a diarista que trabalha lá em casa de vez em quando. Conversando com ela enquanto tomávamos um café, ela disse pra mim: “tu pode não acreditar, mas eu amo o meu trabalho. Eu amo o que eu faço, de verdade. Imagina se eu não gostasse? Seria muito difícil, né?”.

Fazer faxina é um trabalho admirável, pois consome muita energia física e atenção. Não é qualquer um que faz bem feito, e certamente muita gente não gostaria de trabalhar com isso, uma vez que é uma função pesada. Também é daqueles trabalhos que, provavelmente, não deve ser algo que a pessoa planeja fazer para o resto da vida. Mas o lance é que, enquanto for o trabalho disponível, que se faça com vontade e alegria.

– Ter tempo para seus projetos pessoais.

Já falamos neste texto aqui dos projetos paralelos que acabam virando o trabalho oficial depois de um tempo. Mas, para que isso possa acontecer, muitas vezes precisamos nos desdobrar em vários para dar conta de tudo.

Se você tem um coração de empreendedor, mas ainda precisa se manter no seu emprego atual, tudo bem. Dedique-se plenamente ao seu emprego tanto quanto você se dedica ao seu projeto pessoal. Veja o seu trabalho como o meio que vai te permitir bancar o seu projeto paralelo. Seja grato por ter uma renda que paga os seus boletos, mas também dedique-se aos seus planos pessoais para não perder a energia.

E então, gostou dos nossos insights sobre como ser feliz no trabalho? Tem alguma outra coisa que ajuda você a se motivar ainda mais no seu dia a dia?

253

Espaços de Coworking conhecidos
em São Paulo

Alterar região ↺

Experimente trazer a sua empresa para um ambiente
mais inspirador, ágil e flexível.

Conheça todos espaços em São Paulo Eu não estou em São Paulo ↺