Como deve ser a Black Friday 2017 e o que aprender para 2018

Segundo pesquisa do Google Brasil, 68% dos entrevistados pretende comprar algo em 2017.

Imagem Como deve ser a Black Friday 2017 e o que aprender para 2018

A Black Friday 2017 está se aproximando e uma boa parte da população já está de antenas ligadas para as promoções que devem vir por aí. A data, que já é sucesso há uns bons anos, veio dos Estados Unidos, mas o comprador brasileiro já apresenta seus hábitos de consumo bem marcantes e definidos.

E é aquela já famosa frase nos últimos tempos, “apesar da crise”, a Ebit, empresa que acompanha dados sobre o comércio eletrônico nacional, prevê um crescimento de 15% em relação a 2016. Ainda segundo dados da empresa, 81% de seus entrevistados planejam comprar na data, sendo que 41% desse total já deve aproveitar para antecipar as compras de Natal.

Mas então, o que esperar da Black Friday 2017 com base no ano passado?

O evento já se tornou tão importante para o comércio anual que tem ganhado algumas pesquisas bem focadas. O Google Brasil lançou há alguns meses o estudo Thank God it’s Black Friday 2017, com algumas perspectivas para o que deve rolar esse ano. Alguns dos pontos principais:

  • se antes a Black Friday era comparada com uma maratona, agora ela é considerada como uma escalada, e o evento é o Everest das buscas relacionadas às compras.
  • é fato que a data já está no senso comum do consumidor brasileiro, tanto que 71% já comprou alguma vez.
  • 68% dos pesquisados pretende comprar algo em 2017 (em 2016 esse número era de 61%).
  • alguns dos itens mais pesquisados na Black Friday (além dos eletrônicos, que sempre lideram): 213% Chromecast, 213% cápsula de café, 183% colchão, 183% fralda, 166% whisky, 159% powerbank, 155% pneu, 106% carrinho de bebê, 105% moto, 97% passagem aérea (a porcentagem é em relação à média das outras sextas-feiras).
  • em 2016, 38% comprou assim que a sexta-feira começou; 28% comprou no meio do dia; 12% comprou no final da sexta-feira.
  • preço é essencial, mas 51% das decisões estão atreladas a confiança e experiência.
  • seguido do preço do produto (49%) está a confiança na loja (27%), confiança na marca (13%) e o valor do frete (5%).
  • 2/3 das compras são feitas nas mesmas lojas que os entrevistados compram regularmente.
  • as vendas aumentam cerca de 3.5 vezes mais nas lojas físicas.
  • foram identificados 5 tipos de comprador: descrentes (16%), inseguros (22%), participativos (22%), empolgados (22%) e apaixonados (18%).

Black Friday 2017

E o que diz a voz das redes sociais?

As informações acima foram coletadas em uma pesquisa com brasileiros entre as classes A e C, mas também é curioso observar os dados mais orgânicos que vêm das redes sociais. A Scup reuniu alguns fatos observados durante os meses de setembro e outubro, em meio a 19 mil menções relacionadas à Black Friday no Twitter.

A maior parte dos tweets foi classificado como comentários neutros (54%) e positivos (26%), embora o termo “black fraude” tenha aparecido com uma certa frequência, em referência às más práticas de algumas lojas.

Um fato curioso é que os produtos mais citados são um pouco diferentes do que as buscas que aparecem na pesquisa do Google. No Twitter, os termos mais mencionados foram livros, telefonia, notebooks e PCs, games, moda e brinquedos.

Aqui neste link você pode conferir a pesquisa completa da Scup, dá uma olhada!

E por aí, o que você está planejando comprar na Black Friday 2017? Você também vai aproveitar para antecipar as compras de Natal? Depois conta pra gente quais promoções especiais você encontrou esse ano!

304

Espaços de Coworking conhecidos
em São Paulo

Alterar região ↺

Experimente trazer a sua empresa para um ambiente
mais inspirador, ágil e flexível.

Conheça todos espaços em São Paulo Eu não estou em São Paulo ↺